You are currently viewing Do Direito da Policial Militar de Pernambuco de Cumprir Pena no CREED

Do Direito da Policial Militar de Pernambuco de Cumprir Pena no CREED


Este artigo foi atualizado em 02/01/2018.

Ao realizarmos pesquisa jurisprudencial no âmbito do TJPE (disponível no JUSBRASIL no link https://tj-pe.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/262265124/mandado-de-seguranca-ms-3178812-pe), eis que nos deparamos com um caso que nos causou grande perplexidade: uma FEM, Soldado da Polícia Militar de Pernambuco, manejou um mandado de segurança, objetivando sua permanência no Centro de Reeducação da Polícia Militar – CREED, haja vista que o Excelentíssimo Sr Magistrado à frente de Vara de Execuções Penais determinara a transferência da mesma para unidade prisional comum destinada a mulheres, sob o argumento de que o CREED destina-se exclusivamente a policiais do sexo masculino.
Em tempos onde a violência contra a mulher tem se mostrado tema pertinente, preocupante e que recomenda a adoção urgente de políticas públicas preventivas e repressivas, chamou a nossa atenção o fato supramencionado, posto que trata-se de uma temática sem complexidade aparente que, no entanto, necessitou dos auspícios do Poder Judiciário para sanar tão manifesta injustiça.
Da leitura do art. 68, parágrafo único, alínea “c”, e do art. 69, ambos da Lei Estadual 6.783/74 – Estatuto da PMPE, tem-se o seguinte, in litteris:
*********************
Art. 68. As prerrogativas dos policiais-militares são constituídas pelas honras, dignidades e distinções devidas aos graus hierárquicos e cargos.
Parágrafo Único.  São prerrogativas dos policiais-militares:
c) cumprimento de pena de prisão ou detenção somente em organização policial-militar, cujo Comandante, Chefe ou Diretor tenha precedência hierárquica sobre o preso ou detido; e
Art. 69. Somente em caso de flagrante delito, o policial-militar poderá ser preso por autoridade policial, ficando esta, obrigada a entregá-lo imediatamente à autoridade policial-militar mais próxima, só podendo retê-lo na delegacia ou posto policial durante o tempo necessário à lavratura do flagrante.
*********************
O CREED foi ativado por meio do art. 13 do Decreto Estadual 28.518/2005:
*********************
Art. 13. Fica ativado O Centro de Reeducação da Polícia Militar (CREED), subordinado à Diretoria de Pessoal da Polícia Militar (DP), destinando-se, com exclusividade, ao recolhimento de militares estaduais e outros, conforme determinação judicial.
§ 1º – O CREED fica organizado em:
I – Diretor;
II – Diretor Adjunto;
III – Divisão Penal e Jurídica (Div Pen Jur);
IV – Divisão de Pessoal (Dir Pes);
V – Divisão de Laborterapia e de Atividade Social e Psicossocial (Div LASP); e
VI – Seção de Pessoal e Serviço (Seç Pes Sv).
§ 2º – A distribuição dos cargos e funções, é a constante do Quadro de Organização
(QO).
§ 3º – O CREED recebe a denominação de Centro Dr. Juarez Vieira da Cunha.
*********************
Posteriormente, via Decreto Estadual 41.517/2015, o art. 13 do Decreto Estadual 28.518/2005 passou a vigorar com a seguinte redação:
*********************
Art. 13. Fica ativado o Centro de Reeducação da Polícia Militar – CREED, unidade de recolhimento mista para militares do Estado, com efetivo e atividade subordinados à Diretoria de Gestão de Pessoas – DGP, e destinado à acomodação exclusiva de Oficiais e Praças, que estejam vinculados à Polícia Militar de Pernambuco ou ao Corpo de Bombeiros Militar de Pernambuco.
§ 1° O recolhimento do militar do Estado no Centro de Reeducação da Polícia Militar, fica condicionado à disponibilidade de vagas.
§ 2° O reeducando que perder a condição de militar do Estado será transferido para o Sistema Penitenciário do Estado.
*********************
A despeito do absurdo condicionamento à disponibilidade de vagas imposto pelo Decreto Estadual 41.517/2015, o que será tema de posterior artigo, NÃO HÁ qualquer menção de que o recolhimento ao CREED destina-se exclusivamente a policiais militares do sexo masculino.
Em verdade, a temática é muito mais gramatical do que jurídica.

Deixe um comentário